Tarsila pintou o quadro para dar de presente ao seu marido na época, o escritor Oswald de Andrade. Ele ficou muito impressionado e chamou o amigo e também escritor Raul Bopp para ver a obra. Raul também ficou muito empolgado. Oswald disse que a figura do quadro parecia um homem plantado na terra, um indígena, um antropófago. Tarsila então pegou o dicionário de Tupi – Guarani de seu pai e encontrou as palavras, ‘Aba’, que significa homem, e ‘Poru’, que significa homem que come gente. Eles resolveram juntar essas palavras e o quadro foi batizado de Abaporu. Oswald escreveu o Manifesto Antropófago e depois eles fundaram o Movimento Antropofágico inspirados na obra de Tarsila. O quadro hoje pertence ao acervo do MALBA, Museu de Arte Latino – Americana de Buenos Aires, e é considerado a obra mais valiosa da arte brasileira.